Aconselhamento genético: o que é e quando fazer? Descubra!

aconselhamento genético
3 minutos para ler

Você já ouviu falar sobre aconselhamento genético? Trata-se de um processo que tem como objetivo identificar a probabilidade de uma determinada doença se manifestar e também as chances de seus familiares serem diagnosticados com ela.

Conhecido como mapeamento genético, esse estudo pode ser feito pelo portador da doença genética e seus parentes mais próximos. A partir das características genéticas, é possível definir, com o apoio de uma equipe médica multiprofissional, quais podem ser os riscos, os métodos de prevenção e as possibilidades de tratamento.

Como é possível imaginar, uma dessas doenças monitoradas é o câncer. Afinal, estima-se que entre 5% e 10% das neoplasias malignas são associadas a síndromes de predisposição hereditária com padrão de herança monogênica, ou seja, podem se tratar de câncer hereditário.

Para saber mais sobre o assunto, basta continuar a leitura!

Quando fazer o aconselhamento genético?

Existem algumas situações mais específicas em que o mapeamento genético é indicado, como:

  • crianças com malformação congênita, atraso no desenvolvimento ou transtorno do espectro autista;
  • casais com dificuldade para engravidar ou com perdas gestacionais recorrentes;
  • histórico de doenças recorrentes na família ou casamento consanguíneo;
  • histórico e crianças com doenças graves e suspeita de erros inatos do metabolismo;
  • entre outras situações.

Como funciona o procedimento?

Em um primeiro momento, é feita uma anamnese pessoal e familiar bastante detalhada, além de uma construção gráfica da história da família (o heredograma). Em seguida, são realizados exame físico morfológico e conferência dos exames complementares já realizados.

Também podem ser realizados testes genéticos e exames de rastreamento e prevenção de câncer, se essa for a doença em questão.

Quando suspeitar de síndromes de predisposição hereditária?

Ainda falando sobre o câncer, a suspeita de predisposição hereditária é considerada a partir de alguns alertas importantes, como:

  • famílias com muitos casos de câncer;
  • tumor que surge em uma idade precoce, diferentemente da idade em que ele habitualmente aparece nos pacientes;
  • surgimento em uma pessoa de sexo em que não é normalmente acometido;
  • paciente com tumores primários múltiplos;
  • padrão histológico raro;
  • familiares com algumas dessas características ou com um tumor com mesmo padrão histológico;
  • entre outros.

É preciso lembrar que, apesar de todos esses fatores, é fundamental que cada situação seja avaliada de forma particular, com o devido acompanhamento profissional. Nos casos de suspeitas de câncer, o oncologista e o médico geneticista devem trabalhar com base em evidências, sempre garantindo a segurança e a efetividade das informações.

Como você viu, o aconselhamento genético é importante em diversas situações, mas precisa ser realizado e acompanhado de perto por uma equipe multidisciplinar preparada. A Oncomed oferece tratamento médico integrado e atua na prevenção e no tratamento de câncer.

Fale com a nossa equipe para esclarecer as suas dúvidas ou saber mais sobre o aconselhamento genético!

Você também pode gostar

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Marque sua consulta pelo WhatsApp!