Câncer hereditário: como a mutação de genes pode aumentar o risco hereditário?

câncer genético
9 minutos para ler

O câncer tem sido cada vez mais estudado pela comunidade médica e, a partir desses entendimentos, muito tem sido descoberto para uma busca mais eficaz do controle da doença.

Certos tipos de mutações genéticas podem aumentar o risco de desenvolver o câncer, e algumas delas podem ser transmitidas de uma geração para outra. Os cânceres relacionados a essas mutações específicas são chamados de hereditários.

No artigo de hoje, vamos explicar como essa mutação de genes pode ser herdada, se existe um grupo de risco e como o teste genético pode ajudar no diagnóstico e tratamento do câncer. Acompanhe!

O câncer hereditário

O câncer hereditário é aquele causado por uma mutação específica que é transmitida de uma linhagem familiar para outra. Isso ocorre, geralmente, por dois caminhos:

  • as mutações levam a um mau funcionamento dos genes que protegem contra o câncer (os genes supressores de tumores);
  • as mutações amplificam a função de genes que estimulam o surgimento do câncer (os genes proto-oncogenes).

Estima-se que cerca de 10% de todas as neoplasias (tumores) estejam relacionadas a esses tipos de genes. Entre tais mutações estão as que ocorrem nos genes BRCA 1 e BRCA 2 — que aumentam os riscos de câncer de mama, ovário, próstata, pâncreas e outros — e também no gene p53 (relacionado à síndrome de Li Fraumeni).

Como dissemos no início deste texto, ao contrário do câncer hereditário, o câncer esporádico — que também tem origem em uma mutação genética, mas que não passa de uma linhagem a outra — pode se desenvolver por influência e interações com o meio ambiente, ao longo da vida de qualquer pessoa.

Quando afirmar que um câncer é hereditário

Como regra geral, a maioria dos cânceres é considerada multifatorial. Isso significa que vários fatores influenciam no seu surgimento, mesclando exposições ambientais e predisposições genéticas; como mencionamos, estas últimas são uma peça fundamental para o surgimento do câncer hereditário.

No entanto, é preciso ter em mente que a palavra “câncer” é utilizada para um conjunto de doenças. Os genes envolvidos nem sempre são os mesmos e, portanto, a presença de um câncer na família pode estar desvinculada à ocorrência de outro câncer.

Por isso, para afirmarmos que um câncer é hereditário, é preciso que o tipo histológico seja o mesmo do de outro parente — e que haja um embasamento científico que comprove a relação genética desse tipo específico de tumor.

Um exemplo clássico dessa diferenciação é o câncer de estômago: o subtipo intestinal geralmente ocorre em uma idade mais avançada e tem pouca relação familiar. Já o câncer do tipo difuso ocorre em pessoas mais jovens, tem alta correlação familiar e tende a ser mais agressivo.

Os riscos de desenvolver a doença

Você pode estar se perguntando agora: todos os portadores de mutações hereditárias oncogênicas vão desenvolver câncer? Não necessariamente.

A manifestação clínica da mutação varia muito para cada indivíduo e depende da correlação de diversos outros fatores, como a interação com os fatores ambientais (assim como o câncer esporádico) e a penetrância da mutação — ou seja, a capacidade que essa mutação vai ter de originar a doença, entre outros.

Na verdade, estima-se que apenas 0,1% da população possui alguma mutação genética relacionada ao câncer hereditário. Portanto, mesmo se existem muitos casos de câncer na sua família, vale a pena conversar com um médico oncologista antes de tomar qualquer atitude ou se deixar invadir por pensamentos pessimistas, já que a maioria dos casos de câncer é esporádica (e não hereditária).

Angelina Jolie, um caso famoso de câncer hereditário

Após perder a mãe, a avó e uma tia para o câncer, a atriz Angelina Jolie fez uma investigação até descobrir que é portadora de uma mutação no gene BRCA 1. Essa mutação traz consigo um risco elevado de desenvolver o câncer de mama ao longo da vida , assim como o câncer de ovário.

De posse desses dados, Angelina resolveu, em 2013, se submeter a uma cirurgia profilática: retirada das mamas (mastectomia). Dois anos depois, em 2015, a atriz se submeteu a outra cirurgia, retirando os ovários (ooforectomia) e trompas de Falópio.

No caso de uma mutação como a da atriz, algumas atitudes podem ser tomadas, sempre após discussão do paciente com o médico oncologista e com o oncogeneticista.

Entre as condutas estão uma intensificação no seguimento, rastreamento e avaliações médicas, eventualmente medicações para profilaxia e cirurgias profiláticas, como a mastectomia e ooforectomia. É importante ressaltar que todas as opções devem ser discutidas com o médico e com o geneticista, levando-se em conta os prós e contras de cada intervenção.

O teste genético e o tratamento precoce

Certamente, antes de optar pelas cirurgias, Angelina Jolie ponderou bastante as suas opções, além de conversar com profissionais qualificados, como o oncogeneticista e o oncologista.

Para auxiliar na busca por essas mutações, é realizado, atualmente, o teste genético, mas é fundamental destacar que esse procedimento não deve ser feito de maneira indiscriminada.

Em primeiro lugar, existem alguns pré-requisitos estabelecidos para que seja feita essa investigação mais avançada. Entre eles, podemos citar:

  • o diagnóstico de câncer repetido em três ou mais membros da família;
  • um desses membros ter apresentado a doença antes dos 50 anos;
  • outros familiares com mais de um episódio de tumor;
  • parentes próximos com câncer de mama, ovário ou próstata.

Por que tanta cautela? Principalmente porque a própria realização do teste em situações em que ele não indicado pode ser prejudicial. Ele pode gerar ansiedades e angústias desnecessárias, assim como os transtornos advindos de falsos negativos ou positivos — que, por mais raros que sejam, podem acontecer, como em qualquer outro exame.

Se você suspeita que o seu histórico se encaixa no grupo de risco, entre em contato com um médico capacitado. Ao ser identificada a relevância desse mapeamento genético, os próximos passos costumam ser os seguintes:

  • aconselhamento pré-teste, no qual são discutidas, antes da realização do exame, todas as possibilidades de resultado e os seus impactos;
  • teste genético, realizado por meio da coleta de uma amostra de sangue ou de saliva, a fim de analisar o DNA da pessoa;
  • aconselhamento pós-teste, no qual um novo aconselhamento discute possíveis condutas.

Vale lembrar que, apesar de bastante esclarecedor e de oferecer a possibilidade de diminuição do surgimento de um câncer hereditário, esse tipo de exame pode afetar as estruturas emocionais do indivíduo e de todos os familiares envolvidos. Portanto, salientamos a importância do acompanhamento por uma equipe médica experiente e responsável.

Caso o teste genético aponte para possíveis mutações, algumas condutas viáveis para tentar reduzir os riscos de aparecimento de tumor são as cirurgias profiláticas — como mastectomia (retirada das mamas), ooforectomia (retirada dos ovários), colectomia (retirada total ou parcial do cólon) — ou a utilização de medicamentos.

Tipos de câncer hereditário mais comuns

Os cânceres de mama e ovário relacionados aos genes BRCA 1 e BRCA 2 são os tipos mais famosos de câncer hereditário — principalmente devido aos casos famosos, como o da atriz Angelina Jolie. No entanto, com o avanço da medicina, cada vez mais identificamos outros genes responsáveis por outros cânceres hereditários.

Outras doenças relativamente comuns estão relacionadas a síndromes específicas, geralmente diagnosticadas na infância. Um exemplo é a síndrome de Li Fraumeni, associada a cânceres de mama, cérebro, glândulas suprarrenais e sarcomas.

Perguntas frequentes sobre o câncer hereditário

Como qualquer outro câncer, os hereditários levantam muitas dúvidas. A seguir, responderemos a 3 das mais comuns. Confira.

1. Como saber se um câncer é hereditário?

Se você tem histórico de algum câncer na família, é natural se preocupar sobre o risco de também desenvolver a doença. Nesses casos, é fundamental saber se o câncer é hereditário ou não para calcular o seu risco pessoal.

A melhor maneira de conhecer essa resposta é tendo contato direto com a equipe médica que tratou ou trata seu parente. Em posse das informações adequadas, ela saberá informar se você deve ou não se preocupar com o risco de um câncer hereditário. Caso você não tenha mais contato com esses profissionais, uma boa solução é coletar as informações necessárias (como idade do diagnóstico e exames) e realizar uma nova consulta com um oncologista.

2. Quando fazer o exame genético?

O exame genético pode fornecer informações preciosas sobre o seu risco de um câncer hereditário. No entanto, ele é indicado para determinados casos, nos quais realmente é importante conhecer mutações em genes específicos. A indicação geralmente acontece mediante a ocorrência de um câncer hereditário na família e deve ser sempre feita por um médico especializado.

3. Como se prevenir do câncer hereditário?

Caso seja constatado o risco para um câncer hereditário, podem ser necessárias algumas medidas para reduzi-lo. Elas vão desde as medidas conservadoras — como evitar o tabagismo e os alimentos industrializados — até as mais invasivas. Em último caso, pode ser cogitada uma “cirurgia profilática”, como no famoso caso da atriz Angelina Jolie.

Assim como no caso de outras doenças, a informação é fundamental para lidar com o câncer hereditário. Afinal, é preciso ter atenção aos indícios dentro da sua própria família (visto que o câncer é uma doença silenciosa), mas sem alimentar pensamentos ansiosos ou pessimistas, que apenas fazem mal à saúde. Por isso, mantenha-se em contato com o seu médico.

Se você gostou de saber mais sobre o câncer hereditário, certamente seus amigos também se beneficiarão com as informações. Por isso, compartilhe este post em suas redes sociais!

Você também pode gostar

Deixe um comentário

Open chat
Marque sua consulta pelo WhatsApp!