Congelamento de óvulos para pacientes com câncer vale a pena?

congelamento de óvulos
5 minutos para ler

Enfrentar um tratamento oncológico é algo desafiador para qualquer pessoa, por mais que a medicina tenha avançado bastante nesse sentido e, nos dias de hoje, ofereça opções bem mais eficazes e com prognósticos muito melhores.

Nesse contexto, a questão da infertilidade é bastante discutida, já que tanto a quimioterapia quanto a radioterapia podem desencadear esse efeito colateral, muitas vezes, indesejado. Isso prejudica o planejamento familiar e causa um certo desconforto emocional mesmo quando há um desfecho positivo em relação à doença original.

Por isso, é muito importante entender se o congelamento de óvulos para pacientes com câncer vale a pena. Então, continue a leitura e descubra mais sobre essa alternativa!

A relação entre tratamento de câncer e infertilidade

Logicamente, quando alguém se torna um paciente oncológico, a primeira preocupação é com a própria saúde. Nesse momento, o paciente busca os tratamentos mais adequados para que o tumor seja controlado e eliminado. No entanto, se a quimioterapia e a radioterapia servem para destruir as células malignas, elas também podem gerar efeitos adversos, como a infertilidade.

O que é o congelamento de óvulos

Como alternativa aos problemas reprodutivos que podem decorrer do tratamento do câncer, o congelamento de óvulos vem chamando a atenção de muitas pacientes. Esse é um procedimento relativamente simples, no qual os óvulos da paciente são captados e alocados em nitrogênio líquido.

Dessa maneira, eles ficam congelados a 196 ºC negativos e são preservados por muito tempo. A técnica existe há décadas, mas vem se modernizando há alguns anos e pode ser feita em qualquer idade, embora os melhores resultados sejam obtidos em jovens de até 35 anos, pois isso aumenta as chances de uma gestação saudável no futuro.

As regras para o congelamento de óvulos

A legislação que trata sobre congelamento de óvulos também vem evoluindo bastante com o passar do tempo e, no Brasil, a técnica é regulamentada pelo CFM (Conselho Federal de Medicina). Trata-se do órgão responsável pela atualização das normas éticas no âmbito da saúde e, no caso específico, das regras relativas à reprodução humana assistida.

A instituição autoriza o congelamento ou criopreservação de óvulos por clínicas, centros ou serviços de saúde apenas com a finalidade de preservar a fertilidade. Para promover a segurança máxima no procedimento, no ano de 2013, foi estabelecida uma idade limite para a mulher ser submetida a tratamentos de fertilidade, que é de 50 anos.

Como é o procedimento de congelamento de óvulos 

O congelamento de óvulos de uma paciente oncológica pode ser feito logo após o diagnóstico de câncer. Nesse caso, são feitos alguns exames para assegurar que não há nenhuma contraindicação ao uso da técnica.

Uma vez coletados, esses óvulos passam por uma seleção, para que sejam congelados apenas aqueles que apresentem uma melhor qualidade morfológica. Para isso, são adicionadas substâncias protetoras e, em questão de minutos, os óvulos são colocados em nitrogênio líquido.

As vantagens do congelamento de óvulos

Agora que você já ficou um pouco mais familiarizada com a técnica e até mesmo as regras para o congelamento de óvulos no Brasil, vamos esclarecer algumas das vantagens que o procedimento pode oferecer em um momento tão delicado para a mulher, como o tratamento oncológico. Acompanhe.

Planejamento familiar

Uma das maiores vantagens do congelamento de óvulos para uma paciente oncológica é que a técnica permite manter o planejamento familiar em dia. Com isso, a mulher pode se organizar psicologicamente para o tratamento oncológico e focar na sua saúde, pensando em uma futura gestação apenas depois que já estiver tudo bem.

Mais liberdade de escolha

Outra vantagem do congelamento de óvulos é que ele permite mais liberdade de escolha para a mulher. Ao contrário do que pode parecer em um primeiro momento, o procedimento não é uma sentença de que haverá uma gestação, mas sim de que a paciente, mesmo que enfrente problemas de fertilidade, terá a opção de ter ou não uma futura gravidez. 

Boas chances de sucesso

O congelamento de óvulos vem experimentado excelentes taxas de sucesso nos últimos anos. Com o processo de vitrificação, não se formam cristais de gelo que poderiam ocorrer no método tradicional, danificando a estrutura do óvulo. Com isso, é possível planejar a gravidez e ser mãe no tempo ideal, com a idade que for, até os 50 anos.

O congelamento de óvulos vale a pena?

Trata-se de uma opção para preservar não apenas a fertilidade, mas até mesmo a saúde mental da paciente em um momento tão difícil e complexo. Essa é uma intervenção preventiva, que permite adiar a maternidade para um momento melhor.

Ainda, a vitrificação vem oferecendo elevadas taxas de sucesso quando comparada com as outras alternativas mais antigas. Além disso, a técnica pode ser feita rapidamente, sem atrasar o início do tratamento oncológico nem prejudicar as chances de cura. A preservação de fertilidade, portanto, é importante e deve ser considerada antes do início da quimioterapia ou radioterapia.

O desejo de ser mãe se faz presente na grande maioria das mulheres e o congelamento de óvulos antes do início do tratamento de câncer confere liberdade de escolha, permitindo que se opte por uma gestação no futuro.

Gostou de saber que o congelamento de óvulos para pacientes com câncer vale a pena? Ainda ficou com alguma dúvida ou quer deixar suas considerações sobre o assunto? Então, deixe um comentário aqui no post!

Você também pode gostar

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Marque sua consulta pelo WhatsApp!