Conheça os tipos de linfoma, sintomas e formas de tratamento

linfoma
3 minutos para ler

Órgãos linfóides, tecidos linfáticos, capilares linfáticos e vasos linfáticos estão distribuídos pelo corpo humano e funcionam como auxiliares do sistema de defesa. Conhecido como sistema linfático, o papel desse conjunto é produzir e transportar fluido linfático (linfa) dos tecidos para o sistema circulatório. O sistema também é um componente do sistema imunológico, pois colabora com glóbulos brancos para proteção contra bactérias e vírus.

Quando esse sistema não funciona corretamente, os linfócitos podem sofrem alterações e começar a se multiplicar muito rápido ou deixar de ser destruídas, ficando acumulados e levando à formação do linfoma, um tipo de câncer, que podem comprometer o sistema linfático.

Nesse contexto, vamos apresentar o que são linfomas e os seus tipos, abordando também as características dos linfomas. Boa leitura!

O que é linfoma e quais são os principais tipos? 

Os linfomas são tumores malignos causados pela proliferação de linfócitos, células de defesa que temos em nosso organismo. Essas células podem se localizar em diversos órgãos como linfonodos, medula óssea, baço e intestino. Os linfomas podem ser de dois grandes tipos. Veja as diferenças!

Linfoma de Hodgkin

Sua origem passa pelos linfonodos que compõem o sistema linfático. A doença se desenvolve quando um linfócito, célula de defesa, sofre mutações e se transforma em uma célula com potencial de malignidade. Essas células podem crescer e se espalhar rapidamente, de forma ordenada. Ainda que esse tumor possa surgir em qualquer idade, ele é mais comum em indivíduos jovens e, de forma geral, apresenta um prognostico favorável. O tratamento pode envolver quimioterapia, medicamentos alvo e radioterapia.

Linfoma não Hodgkin

Diferentemente do Linfoma de Hodgkin, no caso desse linfoma a células se espalham e crescem de forma desordenada. Existem mais de 20 tipos diferentes de linfoma não-Hodgkin que podem acometer diferentes faixas etárias e ter comportamentos clínicos diferentes – menos ou mais agressivos .

Quais os sintomas da doença?

É necessário ter atenção quanto às características dessa categoria de tumor para conseguir identificar os sinais sugestivos da doença. Geralmente, há um considerável aumento no tamanho dos gânglios linfáticos, chamados popularmente de “ínguas”. Elas podem aparecer nas regiões laterais do pescoço, acima das clavículas, axilas e virilhas, por exemplo. Outros sintomas são:

  • febre
  • perda rápida de peso;
  • suor noturno excessivo;
  • aumento do volume abdominal;
  •  fraqueza muscular generalizada.

Como é o diagnóstico e as formas de tratamento?

O médico pode pedir uma série de exames para confirmar o diagnóstico dependendo de cada caso. Em algumas situações, pode ser necessária a realização de biópsia da região afetada. Ela consiste na retirada de uma pequena parte ou de todo o linfonodo, que posteriormente é enviado para exame patológico.

A forma de tratamento mais utilizada é a quimioterapia, associada ou não a outras medicações alvo, como a imunoterapia. A radioterapia também pode ser utilizada, assim como o transplante de medula óssea. Nova tecnologia também vem sendo avaliadas, com resultados promissores.

Esperamos que tenhamos conseguido esclarecer as suas principais dúvidas. Como você pôde perceber a avaliação médica é essencial para o diagnóstico e para direcionar o tratamento mais adequado.

Gostou do nosso post? Siga-nos no Instagram, Facebook e acompanhe mais novidades!

Você também pode gostar

Deixe um comentário

Open chat
Marque sua consulta pelo WhatsApp!