3 cuidados que se deve ter com a pele durante tratamento oncológico

pele durante tratamento oncológico
7 minutos para ler

Entender a importância de cuidar da pele durante o tratamento oncológico é essencial para a superação dos desafios associados ao câncer. Independentemente do tipo de terapia utilizado — intervenções cirúrgicas, radioterapia, imunoterapia ou quimioterapia —, os efeitos sobre a pele exigem cuidados especiais. O objetivo dessas intervenções é evitar o ressecamento, a descamação e o surgimento de lesões.

Tendo isso em vista, vamos apresentar as orientações da Dra. Laura Salles Disa Pinto, dermatologista especialista pela Sociedade Brasileira de Dermatologia. Veja, então, como cuidar da pele por meio de ações preventivas e, assim, minimizar as alterações que surgem durante o tratamento oncológico. Acompanhe!

Saiba por que os tratamentos oncológicos agridem a pele

Segundo a Dra. Laura, as agressões na pele durante tratamento oncológico podem surgir por diferentes razões. De forma resumida, mas bastante clara, ela explica que os tratamentos oncológicos visam à destruição de células tumorais ou à ampliação de respostas imunes responsáveis pela vigilância no nosso corpo. Isso acontece para que as células afetadas não se desenvolvam. 

Para melhorar a compreensão do tema, a especialista destaca a importância de proteger a pele, já que os meios utilizados para que isso ocorra podem danificar tecidos sadios, entre eles, a pele do paciente. Vale ressaltar, ainda, que os efeitos do tratamento variam conforme o estado de saúde do paciente e o tipo de tratamento. Manifestações como dor local, assaduras ou a eliminação de secreção podem ser comuns.

Durante o tratamento, alguns métodos terapêuticos fazem com que a pele recebe uma grande quantidade de radiação. Por isso, esse processo pode deixar a cútis com marcas vermelhas semelhantes às queimaduras de sol. Dependendo da intensidade do tratamento, há o risco de ocorrer pequenas feridas, conhecidas em oncologia como radiodermite.

”O oncologista está preparado para orientar seu paciente quanto às pequenas alterações da pele, cabelos e unhas que são normais e esperadas. Mas frente a lesões mais graves, contamos com uma equipe multidisciplinar, com destaque para o dermatologista. Esse profissional orienta sobre o tratamento das lesões e quanto às contraindicações em relação ao tratamento”, destaca Dra. Laura.

Conheça os efeitos dos tratamentos oncológicos na pele

A despeito da situação, cuidados com a saúde e com a estética são necessários e, às vezes, primordiais ao sucesso do tratamento. Mesmo durante a terapia oncológica, poder se olhar no espelho e perceber que está com a aparência agradável não só promove a recuperação como eleva a autoestima. Isso ajuda a entender a importância de se prevenir e de buscar orientações para reduzir os efeitos negativos da doença, principalmente sobre a pele durante tratamento oncológico.

Assim como a queda dos cílios e a perda das sobrancelhas, o ressecamento da pele figura na lista dos problemas estéticos mais preocupantes de quem se submete à quimioterapia. No entanto, os efeitos na derme são variados e afetam também o cabelo e as unhas, já que eles são anexos da pele.

Listamos os sinais mais comuns evidenciados durante tratamentos oncológicos na pele. Observe:

  • bolhas; 
  • coceiras; 
  • ardência;
  • descamação;
  • vermelhidão;
  • queimaduras;
  • reações alérgicas; 
  • risco de novas lesões benignas;
  • alterações na qualidade dos fios dos cabelos e unhas.

Veja 3 cuidados com a pele durante o tratamento oncológico

Segundo Dra. Laura, fazer um acompanhamento com um dermatologista é fundamental para controlar os sintomas mais graves: “sintomas leves são esperados e tratados pelo oncologista, mas frente ao agravamento do quadro é necessária a consulta com um dermatologista. Sempre manter em mente que uma pele bem cuidada e hidratada é mais saudável e, por isso, tem menos riscos de sofrer irritações.”

Destacamos algumas condições que merecem atenção especial. Confira os cuidados!

1. Mantenha a hidratação

Confira algumas medidas para manter a pele mais hidratada:

  • evite banhos muito demorados e em água muito quente;
  • evite esfregar a pele, pois a fricção pode feri-la;
  • mantenha sua pele bem hidratada;
  • utilize sabonetes sem perfume;
  • prefira banhos em água morna;
  • use sabonete líquido hidratante.

2. Reduza a exposição à luz do sol

Além de reduzir o risco de câncer dermatológico, saiba como minimizar consequências prejudiciais do sol sobre a pele durante o tratamento oncológico:

  • evite a exposição prolongada para reduzir o risco de erupções cutâneas;
  • opte por roupas de proteção solar, viseiras, chapéus e óculos escuros;
  • não se exponha ao bronzeamento artificial;
  • utilize filtro solar com FPS maior que 30.

3. Fique atento às alterações na pele

Destacamos os principais cuidados. Veja quais são:

  • atente-se à erupção cutânea;
  • previna a pressão da pele utilizando roupas largas;
  • evite a automedicação;
  • procure informar ao seu médico a presença de bolhas, vermelhidão ou descamação profunda na pele. 

Em relação ao tratamento dos efeitos colaterais na pele, Dra. Laura explica que a hidratação, a fotoproteção e uma boa orientação quanto aos efeitos das terapias sobre a pele não podem ser ignoradas. Priorizar cuidados com a pele durante o tratamento oncológico ajuda a minimizar os efeitos colaterais mais presentes, como modificações na cor ou na textura da pele.

A especialista em dermatologia destacou também a importância da atenção quanto às comorbidades resultantes de doenças autoimunes: “a maioria dos efeitos colaterais tem duração limitada ao uso da medicação. Mas doenças como a psoríase e o surgimento de novas lesões na pele podem se manter após a interrupção do tratamento.”

Confira as orientações da Oncomed

A Oncomed é uma clínica especializada no tratamento e na prevenção de doenças oncológicas. Nossa equipe é composta por um corpo clínico bastante qualificado e com a experiência necessária para o melhor controle do tratamento do câncer. Para os nossos profissionais, o ideal é manter uma rede de apoio com uma equipe multidisciplinar para obter o suporte necessário à redução dos efeitos da doença.

Quanto aos tratamentos estéticos — como toxina botulínica e preenchimentos com ácido hialurônico e bioestimuladores —, Dra. Laura orienta que eles devem ser evitados devido ao risco desses procedimentos desencadearem maior resposta imune e, com isso, gerar complicações.

“Outros procedimentos como cuidados com os cabelos, unhas e tratamento de outras doenças dermatológicas devem ser avaliados de acordo com a necessidade e o perfil do paciente”, afirma a médica.

Portanto, a proposta da Oncomed é adotar condutas que auxiliem, positivamente, a recuperação da pele durante tratamento oncológico. Além do foco em resultados clínicos, os cuidados com a aparência também estão incluídos no processo de reabilitação. Afinal, um dos objetivos da nossa clínica é promover condições para o paciente retomar a saúde integral e melhorar a qualidade de vida.

E você, precisa de mais orientação nesse sentido? Aproveite a visita ao nosso site e entre em contato conosco agora mesmo!

Você também pode gostar

Deixe um comentário

Open chat
Marque sua consulta pelo WhatsApp!