Quais locais da pele secam muito em pessoas com câncer?

pele seca
3 minutos para ler

Não é novidade que o paciente oncológico precisa passar por uma série de superações. Como se não bastassem os impactos que a própria doença causa, os diversos tratamentos, ainda que cada vez mais eficazes, também podem contar com efeitos adversos. Um exemplo é a pele seca, um sintoma que pode surgir em pessoas com a doença.

Felizmente, existem algumas estratégias simples e ações pontuais que podem minimizar o problema e esse cuidado é muito importante para evitar incômodos e manter a autoestima em um momento tão delicado na vida de qualquer um. Continue lendo o artigo e descubra como fazer isso!

Por que a pele pode ficar ressecada no paciente oncológico?

Dependendo do tipo de câncer, o organismo do paciente pode se sensibilizar de diversas maneiras, o que favorece o surgimento de manchas, nódulos, feridas e, principalmente, áreas ressecadas e/ou escurecidas. No entanto, via de regra, o que mais agride são os tratamentos contra as neoplasias, como a radioterapia e a quimioterapia.

Isso ocorre porque as células da pele se multiplicam muito rápido e como a terapêutica para a doença age justamente no mecanismo de reprodução celular, é comum que os tecidos cutâneos acabem sofrendo com os efeitos colaterais, causando o desagradável ressecamento.

Quais locais da pele secam muito em pessoas com câncer?

Algumas áreas do corpo já costumam ficar mais ressecadas pelas suas próprias características e isso acaba sendo reforçado em pacientes oncológicos. Extremidades e articulações, por exemplo, são regiões bastante expostas e que costumam ser mais afetadas. Isso ocorre principalmente em épocas mais frias, nas quais a umidade tende a ser menor e os banhos, mais quentes.

Mãos, cotovelos, solas dos pés e joelhos costumam sofrer, ainda mais entre quem está fazendo radioterapia ou quimioterapia. Os sintomas mais comuns são vermelhidão, descamação, coceira e, em casos mais graves, dor. Cuidar é muito importante, de forma a evitar cortes ou feridas que possam levar a infecções.

Quais os cuidados essenciais com a pele nesse momento?

É possível evitar o ressecamento da pele e a prevenção é sempre a melhor escolha. O primeiro passo é beber bastante água, para manter a elasticidade do tecido e reduzir as chances de pequenas lesões. Além disso, é importante apostar nos hidratantes à base de ureia ou de óleos emolientes, como o de amêndoas ou de sementes de uva.

Não se esqueça de que é preciso redobrar os cuidados com a exposição solar, para evitar os efeitos nocivos da radiação ultravioleta. Aposte no uso de protetores de qualidade e procure ficar ao ar livre em horários mais amenos, evitando o período entre 10 e 16 horas. Os acessórios também podem ajudar, como chapéus, bonés e óculos escuros.

Tomando esses cuidados, é provável amenizar os efeitos colaterais do tratamento contra o câncer na pele, mantendo a saúde desse que é o maior órgão do corpo humano.

Agora que você já sabe como lidar com os locais da pele que secam muito em pessoas com câncer, que tal conferir outros conteúdos como este? Siga nossos perfis no YouTube, no Instagram e no Facebook e fique por das novidades!

Você também pode gostar

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Marque sua consulta pelo WhatsApp!