Afinal, quem teve câncer pode doar sangue? Descubra!

quem teve câncer pode doar sangue
3 minutos para ler

Mesmo com todos os incríveis avanços que a ciência e a medicina fizeram nos últimos anos, ser um paciente oncológico é desafiador para qualquer pessoa, seja por conta do estigma que a doença traz, seja pelo medo dos efeitos adversos dos tratamentos. No entanto, muita gente que já passou por tal situação se pergunta se quem teve câncer pode doar sangue.

A vontade de ajudar o próximo e a solidariedade podem aflorar após um período difícil, mas é preciso entender quais as maneiras de fazer isso. Dessa forma, esse será um ato seguro e que não causa nenhum dando em potencial, tanto para doadores quanto para os receptores. Continue lendo e aprenda mais sobre o assunto.

Qual a importância da doação de sangue?

A doação de sangue é um ato voluntário extremamente importante na medicina, visto que pode ajudar a salvar muitas vidas. Geralmente, os pacientes que precisam de transfusão são graves e podem correr risco de vida, como em grandes cirurgias, partos e portadores de doenças sanguíneas, como anemia ou leucemia.

De acordo com a regulação vigente no Brasil, uma pessoa pode doar, no máximo, 450ml de sangue, que será reposto pelo próprio organismo em muito pouco tempo. O procedimento é rápido e completamente seguro. Nenhum material usado na coleta é reutilizado, o que elimina qualquer risco de contaminações ou doenças infecciosas.

Quem teve câncer pode doar sangue?

Essa é uma pergunta complexa. Atualmente, no Brasil, a Anvisa e o Ministério da Saúde determinam que neoplasias malignas sejam situações impeditivas para ser um doador. No entanto, quem já terminou o tratamento de carcinoma basocelular de pele ou carcinoma de cérvix de colo de útero pode ser avaliado quanto à doação.

Existem outras doenças que impedem uma pessoa de doar sangue, algumas permanentemente. Isso vale, por exemplo, para portadores de Hepatite B e C, Aids e sífilis, bem como HTLV, malária e mal de Chagas. O mesmo se enquadra no uso de drogas injetáveis e patologias cujos tratamentos são feitos com produtos sanguíneos por toda a vida.

Quais as exigências para doar sangue?

Não basta não ter um câncer maligno ou alguma das doenças que citamos acima para que você seja um doador de sangue. Existem outras exigências para isso, que visam a assegurar a integridade de doadores e receptores. A mais básica delas é relacionada com a idade, pois a pessoa precisa ter entre 16 e 69 anos para doar.

O peso também é uma questão importante, pois homens e mulheres só são aprovados quanto têm mais de 50 quilos. Menores de 18 anos precisam estar acompanhados ou autorizados pelos responsáveis legais. Os intervalos são de três meses, para homens, e quatro meses, para mulheres, por conta da perda sanguínea ocasionada pelo período menstrual.

Como você pôde ver, quem teve câncer pode doar sangue apenas sob condições específicas. Essa não é uma possibilidade, portanto, para quem sofreu de neoplasias malignas.

Gostou de aprender se quem teve câncer pode doar sangue? Então, não deixe de fazer um comentário aqui no post!

Você também pode gostar

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Marque sua consulta pelo WhatsApp!