Entenda a importância da rede de apoio para o tratamento oncológico

rede de apoio
5 minutos para ler

Receber um diagnóstico de câncer não é algo fácil. Por medo do prognóstico, da morte, pela rotulação da doença, pelos novos hábitos de vida que serão adotados e pela mudança na própria imagem, é extremamente normal que os pacientes fiquem emocionalmente abalados e mais sensíveis. Por isso, ter uma rede de apoio faz toda diferença.

Desde o momento da descoberta da doença até o final do tratamento, a pessoa diagnosticada com o câncer vai responder melhor a todos os estágios desse processo se tiver com quem contar — e esse apoio inclui vários aspectos, tanto os emocionais quanto aqueles mais práticos do dia a dia, como quem vai ajudar nas tarefas da casa.

Quer saber como essa segurança é importante para o tratamento oncológico? Continue conosco e boa leitura!

O que é rede de apoio?

É comum pensar que a rede de apoio refere-se apenas às pessoas que convivem diretamente com o paciente, como os familiares que vivem na mesma casa ou parentes muito próximos, como os pais ou irmãos. Mas é importante lembrar que esse grupo pode se expandir para muito além e, incluir amigos, vizinhos, a equipe médica e muitas outras pessoas.

O papel fundamental dessa rede é transmitir afeto e segurança para o paciente oncológico, assumindo a responsabilidade de cuidar dele nas mais variadas esferas — sentimentais, práticas e financeiras, lembrando que é importante preservar a autonomia do paciente.

Aqueles que não possuem esses grupos mais próximos também precisam lembrar que não estão sozinhos, e podem buscar instituições religiosas e a equipe assistencial responsáveis por seu tratamento, que podem indicar boas referências de acolhimento.

Hoje, uma rápida busca no Google pode apontar grupos virtuais e sem fins lucrativos, formados, muitas vezes, por pessoas que já enfrentaram o câncer e que agora recebem de braços abertos quem está passando por isso.

Qual é a importância da rede de apoio no tratamento oncológico?

Inevitavelmente, a vida de uma pessoa que acaba de receber o diagnóstico de câncer vai passar por algumas mudanças nos próximos meses — e essa nova realidade não precisa ser vista com desespero, ansiedade ou desânimo.

Dentro da própria casa, é natural que o sistema familiar se reorganize: filhos começam a assumir as tarefas da casa, outros membros começam a trabalhar (ou trabalham mais) para continuar provendo o sustento de todos, pais reduzem a sua carga horária fora de casa para se dedicar ao paciente etc. Essas já são mudanças importantes para que a pessoa fique tranquila enquanto faz o seu tratamento.

Mas é importante lembrar que o paciente também precisa ser cuidado nos aspectos emocionais. Um erro comum nesses momentos é assumir todos os afazeres do paciente – na busca em ajudar e poupar a pessoa, acabam tirando a autonomia e o prazer da pessoa em realizar as coisas do seu jeito e se sentir útil.

A tranquilidade que o paciente precisa não é só no sentido físico, de poder descansar e dormir mais — o que também é necessário. Ao dividir as suas inseguranças e ansiedades com a rede de apoio, o paciente pode encontrar um alívio no impacto da doença e do tratamento, encontrando mais motivação e força para enfrentar os dias mais difíceis.

Quais são as funções dos apoiadores?

Como dissemos, uma pessoa que recebe um diagnóstico de câncer pode apresentar ansiedade, perda da autonomia e da autoestima, culpa, medos, dificuldades familiares e financeiras, além dos próprios desconfortos resultantes do tratamento, como dor, desconforto e mal-estar.

Diante desse cenário, os cuidadores também precisam fortalecer a sua saúde mental, a fim de oferecerem ao paciente todo o suporte que ele precisa. Entre as principais funções da rede de apoio, podemos citar algumas, de forma bastante resumida e generalizada, tendo em vista que cada grupo vai se organizar de uma forma diferente:

  • oferecer apoio físico e psicológico;
  • buscar flexibilização que ajuda a reestruturar a organização familiar; 
  • ter conhecimento dos sintomas e do ciclo da doença, a fim de saber como agir e como garantir conforto e segurança;
  • participar de todas as fases do processo, buscando transmitir segurança ao paciente;
  • conversar com a equipe médica, repassando informações necessárias sobre o paciente e o tratamento;
  • incentivar as orientações dadas pelos profissionais a fim de ajudar o paciente a assumir os cuidados necessários.

Por fim, é preciso ressaltar a importância dos cuidados destinados à equipe de apoio. Essas pessoas também precisam de um suporte, principalmente em relação à saúde mental, para aprenderem a lidar com as inseguranças da doença e evitar as repercussões do estresse como o esgotamento físico e mental.

Nesses momentos, o acompanhamento psicológico pode ajudar todos os participantes desse processo. Fale com a sua equipe médica e solicite o apoio desse profissional.

Isso pode ser muita coisa para pensar além dos cuidados que a condição de saúde do paciente, mas, com o passar dos dias, as coisas vão se organizando. Juntos, o paciente e a sua rede de apoio vão aprender a lidar melhor com as dificuldades para enfrentar a doença.

E por falar em rede de apoio, nós, da Oncomed, temos como missão auxiliar o paciente oncológico não apenas com os assuntos relacionados ao câncer em si, mas em todas as esferas da sua vida. Buscamos um atendimento humanizado que vê a pessoa além da doença.

Então, se você está procurando uma rede de apoio como essa, entre em contato com a nossa equipe! Estamos à disposição para ajudar no que for preciso!

Você também pode gostar

Deixe um comentário