Saiba como a Oncomed BH garante a segurança do paciente

segurança do paciente
6 minutos para ler

Dar prioridade à segurança do paciente é o objetivo de toda ação realizada pelas equipes de saúde. Em relação ao paciente oncológico, surgem alguns cuidados maiores, devido à manipulação e a administração de medicamentos (nos casos de quimioterapia) e ao zelo pela saúde mental de quem enfrenta a doença.

Por isso que, ao escolher uma clínica para realizar o seu tratamento, é imprescindível conhecer as práticas vigentes de segurança do paciente. Até porque, um ciclo de quimioterapia, pode levar semanas para a sua conclusão. Então, dar continuidade à terapia em meio a intercorrências e a um mau atendimento pode ser prejudicial à qualidade do tratamento proposto .

Janice Oliveira, Coordenadora de Segurança do Paciente do Grupo Oncomed BH, trouxe as respostas aos principais questionamentos sobre esse assunto para esclarecer o que realmente importa nessa temática. Boa leitura!

Os direitos que garantem a segurança do paciente

Gerenciamento de risco, aplicação de protocolos de segurança e estímulo à cultura que transforma segurança em valor, acima do cumprimento das metas operacionais, são exemplos de práticas que levam à segurança do paciente, como destacado por Janice.

Além dessas boas medidas, todo paciente da Oncomed BH tem o direito de ser tratado com dignidade e sem discriminação, de ter privacidade, de receber assistência psicológica — que pode ser estendida aos familiares —, de buscar uma segunda opinião quanto aos diagnósticos e outras garantias, como as elencadas a seguir.

Identificação do paciente

Janice detalha que todos os pacientes da clínica, de imediato, recebem uma pulseira de identificação com o nome completo e a data de nascimento. Dessa forma, todos os profissionais de saúde conferem esses dois dados previamente a cada procedimento. Ainda há um código de barras junto a essa identificação para que, eletronicamente, os dados das prescrições sejam confirmados antes das administrações.

Ter uma boa comunicação também é outro fator que favorece a identificação dos pacientes reduzindo a possibilidade de erros. Na Oncomed, são realizadas continuamente capacitações sobre empatia e resolutividade entre as equipes. De fato, todo diálogo mantido com sucesso traz conforto e diminui angústias no dia a dia do paciente oncológico.

Administração de medicamentos

A administração dos medicamentos na clínica ocorre nas salas de medicação, que têm televisão e espaços de convivência, além de boxes e poltronas individualizadas. Perguntamos o passo a passo da administração medicamentosa na clínica e a coordenadora assegurou que:

1.    o médico responsável e a equipe de enfermagem sempre avaliam o paciente antes da medicação;

2.    os farmacêuticos manipulam os medicamentos em capela de fluxo laminar, que se trata de uma cabine de segurança biológica, e dispensam-nos com a identificação do paciente já confirmada;

3.    os enfermeiros conferem novamente o nome completo do paciente e a prescrição dos fármacos antes da administração;

4.    até o final da administração, o paciente segue em observação. Posteriormente, é reavaliado e liberado.

Higienização e prevenção de infecções

Uma das práticas que previne infecções é a do cuidado com a higienização das mãos. Tanto os profissionais da clínica o fazem quanto é orientado aos familiares e acompanhantes que também o façam. Água e sabão ou álcool gel podem ser utilizados nessa prática e, no caso de água e sabão, é preciso seguir o passo a passo:

●       molhar as mãos;

●       aplicar sabão até cobrir a palma da mão;

●       esfregar as palmas das duas mãos, uma contra a outra;

●       entrelaçar os dedos e esfregá-los;

●       friccionar as ‘costas das mãos’ uma na outra;

●       lavar os dedos polegares, em sentido circular;

●       enxaguar as mãos com água e secá-las.

Quanto ao uso do álcool gel, o recomendável é realizar os mesmos movimentos indicados na lavagem com água e sabão, mas o ato de esfregá-las deve durar pelo menos 30 segundos. Não se deve enxaguar as mãos ao fim da aplicação do álcool e, se o paciente notar alguma sujidade, isto é, sujeira física e visível, deve lavar com água e sabão.

As orientações domiciliares quanto a medicamentos e prevenção de quedas

Janice declara que os medicamentos são dispensados no ambulatório após a consulta médica e farmacêutica. Nesse momento os pacientes recebem toda a orientação quanto ao uso seguro e ao monitoramento de reações adversas que, porventura, possam surgir. Como por exemplo, fadiga, fogachos, diarréia, feridas na boca e alterações do paladar.

A utilização dos medicamentos pelos pacientes é monitorada integralmente pela equipe assistencial (enfermeiros e farmacêuticos) por meio de consultas mensais e da telessaúde (via contato telefônico) no decorrer de todo o tratamento. Para as feridas na boca, o profissional de saúde orienta as melhores opções para compor a dieta, além de agendar consultas com dentistas especialistas, nutrólogos e nutricionistas da clínica.

Já o risco de quedas, comumente presente nas pessoas com mais de 60 anos, aumenta com o diagnóstico de câncer e o uso de alguns tipos de medicamentos. Logo, em relação à prevenção, as equipes da Oncomed BH recomendam o uso de calçados antiderrapantes pelos pacientes, a manutenção de ambientes domiciliares bem iluminados para a locomoção segura e a utilização de dispositivos de apoio para andar.

A forma como o paciente pode colaborar

De acordo com Janice, os pacientes podem contribuir para a sua própria segurança quando:

●       comunicam todas as informações sobre o seu histórico e sobre a condição de saúde, sem omitir propositalmente nenhum detalhe;

●       seguem as orientações dadas pelas equipes — na clínica e em casa;

●       fazem perguntas aos profissionais, caso alguma orientação não tenha ficado clara para o entendimento;

●       conhecem ou procuram conhecer os medicamentos que estão tomando;

●       não deixam que administrem medicamentos sem que confiram os dados antes;

●       higienizam as mãos e cobram a higienização dos profissionais que lhes prestam cuidados.

Ficaram claras as ações que a Oncomed BH realiza para garantir a segurança do paciente? O bate-papo com a coordenadora Janice comprova, portanto, que a segurança do paciente tem um impacto significativo na escolha da clínica para o tratamento e é possível alcançá-la, principalmente, por meio do respeito aos direitos e deveres dos pacientes, da transparência no diálogo e da participação do paciente em sua assistência.

Agora, se você deseja conhecer mais sobre o nosso serviço de prevenção e tratamento nas doenças neoplásicas, confira o nosso portal!

Você também pode gostar

Deixe um comentário

Open chat
Marque sua consulta pelo WhatsApp!