Síndrome de impostora: como superar para retomar a autoestima?

síndrome de impostora
4 minutos para ler

Existem diversas condições que podem afetar a saúde mental e física das pessoas, fazendo com que haja impactos bastante consideráveis no dia a dia e na rotina pessoal e profissional. Pensando nisso, preparamos este conteúdo falando sobre a síndrome de impostora e o que fazer para superá-la e retomar a autoestima.

Muita gente sequer conhece esse termo e pode até sofrer com essa condição, apresentando diversos dos seus sinais mais característicos e experimentando uma sensação de impotência constante, mas sem chegar a um diagnóstico. Para evitar que isso aconteça com você, não deixe de conferir o conteúdo a seguir. Boa leitura!

O que é a síndrome da impostora?

A síndrome da impostora é um fenômeno cada vez mais comum nos dias de hoje, no qual a sua portadora toma atitudes e tem sensações baseadas na crença de sua própria incapacidade perante o mundo, julgando não ser boa o suficiente para quase nada e não ser merecedora de suas próprias conquistas, muitas vezes gerando um sentimento de não pertencimento.

Esse quadro, muitas vezes de difícil diagnóstico, foi descrito nos Estados Unidos, no ano de 1978, especialmente por meio de estudos com mulheres bem-sucedidas e que se sentiam verdadeiras fraudes. Isso levava a um impacto negativo e ao comprometimento, em maior ou menor nível, da vida social, psíquica e até mesmo profissional.

Como identificá-la?

A síndrome da impostora, como dissemos, pode ser de difícil diagnóstico, mas pode dar algumas pistas para quem tiver um olhar mais atento. Pessoas podem apresentar traços de autodepreciação, questionando as suas competências e conquistas de forma recorrente e não valorizando o reconhecimento externo.

Isso pode gerar também medo de exposição, evitando situações que envolvam avaliação, bem como um esforço excessivo para elevar a sua capacidade. Completam o cenário a comparação intensa com os outros e a autossabotagem — e algumas utilizam a procrastinação como um mecanismo de defesa, de maneira a evitar críticas ou fracassos.

Como lidar com a síndrome da impostora?

É natural pensar que a síndrome da impostora pode afetar a saúde física e mental de qualquer um, não é mesmo? No entanto, existem maneiras de lidar melhor com o quadro e de reverter o cenário de forma positiva. Via de regra, o primeiro passo consiste em reconhecer o problema e avaliar como ele está impactando a própria rotina.

 O auxílio profissional de um médico ou psicólogo é imprescindível, pois eles podem não apenas fazer o diagnóstico, mas também propor um tratamento e a abordagem mais adequada para cada caso. Boas ações incluem o reconhecimento dos próprios êxitos, evitando compactações e buscando entender que todos têm vulnerabilidades e limites e podem, eventualmente, fracassar.

 Pessoas com a síndrome da impostora também podem, por exemplo, ter maiores dificuldades no enfrentamento de situações complexas, como o diagnóstico e o tratamento de doenças graves — câncer, por exemplo. Nesses casos, o auxílio especializado de um profissional pode fazer ainda mais diferença, conferindo um prognóstico bem melhor para tais pacientes.

 Agora, você já sabe um pouco mais sobre a síndrome da impostora. Não buscar a solução desse problema o quanto antes pode trazer sérios impactos, prejudicando a sua vida pessoal e fazendo com que você perca oportunidades profissionais incríveis.

Gostou de aprender mais sobre a síndrome da impostora? Então, não deixe de conferir também o nosso outro post que fala sobre a importante relação entre câncer e depressão.

Você também pode gostar

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Marque sua consulta pelo WhatsApp!