Tenho câncer. E agora? 7 informações que você precisa saber

tenho câncer, e agora?
6 minutos para ler

“Tenho câncer. E agora?”. Essa é uma pergunta que, definitivamente, passa pela cabeça de qualquer paciente oncológico no momento do diagnóstico. Definitivamente, não faltam motivos para isso, uma vez que essa é uma doença multifatorial e bastante estigmatizada.

Contudo, com um maior nível de conhecimento e entendendo melhor o seu quadro, fica mais fácil perceber que, embora complexo, esse momento guarda perspectivas notoriamente melhores do que há alguns anos, com tratamentos mais adequados e abordagens que visam o bem-estar de uma forma integral.

Pensando nisso, separamos 7 informações que você precisa saber sobre câncer. Vamos lá?

1. Mantenha a calma sempre

A primeira coisa que você precisa fazer ao descobrir que é portador de qualquer tipo de câncer é manter a calma. Afinal, se em outras épocas isso era quase um sinônimo de uma condição irreversível e potencialmente fatal, nos dias de hoje existem muitas opções que poderão auxiliar você nesse momento, que vão desde tratamentos mais eficazes até uma abordagem multifatorial.

Por isso, o melhor conselho é respirar fundo e colocar a cabeça no lugar, encarando a situação com a coragem e a tranquilidade que ela pede, pois isso será fundamental para passar por essa nova fase de maneira equilibrada. O medo e a tensão farão parte, mas entrar em uma espiral de descontrole pode trazer inúmeros malefícios durante esse período.

2. Entenda o que é o câncer

Agora que você já manteve a calma e encarou o problema de frente, podemos partir para medidas mais objetivas. Com sua saúde mental equilibrada, você pode partir para entender o que é o câncer, um termo que abrange mais de cem diferentes tipos de tumores malignos, cujo cerne é o crescimento desordenado das células.

Com isso, essas células passam a invadir tecidos adjacentes e sadios, com grande agressividade em casos mais graves, levando a formação de tumores. Os tipos são determinados pela origem celular, como os carcinomas, que começam na pele ou em mucosas, os sarcomas, originados nos tecidos conjuntivos, e assim por diante.

3. Estude sobre o seu diagnóstico

Essa é uma dica que pode não funcionar para todo mundo, mas boa parte das pessoas terá curiosidade em aprender mais sobre o seu próprio diagnóstico, o que pode ser interessante para tomar decisões e traçar condutas em conjunto com seu médico. Nesse sentido, a internet pode ajudar bastante, desde que utilizada com filtros e parcimônia. 

É imprescindível saber organizar as informações, fazer pesquisas em fontes confiáveis e, todas as vezes que surgirem dúvidas no intervalo entre uma consulta e outra, não hesite em anotar e fazer o questionamento para seu oncologista de confiança. Não deixe também de manter cópias de todos os seus laudos em uma pasta.

4. Valorize o auxílio do médico

Não é preciso refletir muito para compreender a importância do auxílio médico para um paciente com qualquer doença. No entanto, no caso do câncer, isso é ainda mais relevante, pois o oncologista não apenas estudou anos sobre o quadro em sua especialização, como também está em perfeita sintonia com o que há de mais avançado no segmento.

Por isso, busque por clínicas e centros de referência, como alta credibilidade dentro da sua cidade. Nesses locais, você terá mais facilidade de acesso a novos tratamentos, diagnósticos inovadores ou até mesmo que ainda estão na fase de estudos. Além disso, ter uma equipe multiprofissional ao seu lado contribuirá bastante no seu dia a dia.

5. Não se esqueça do dentista

Falando em uma clínica de boa credibilidade, com uma equipe multiprofissional, você não pode deixar de valorizar o trabalho do dentista para a melhora da qualidade de vida do paciente oncológico. De imediato, ele já pode perceber se você conta com algum problema oral que não conhecia e poderia piorar com o passar do tempo.

Como se isso não bastasse, o profissional da área odontológica é o especialista que está melhor preparado e habilitado para diagnosticar, prevenir, controlar e tratar as eventuais complicações orais que podem surgir durante as diversas etapas dos tratamentos oncológicos, como radioterapia e quimioterapia, por exemplo.

6. Realize atividades físicas

Muitas pessoas, quando chegam no momento em que pensam “Tenho câncer. E agora?”, sequer cogitam a possibilidade de continuar realizando atividades físicas. No entanto, com os avanços dos conhecimentos médicos e científicos, isso tem começado a mudar, embora seja importante ressaltar que cada tratamento tem suas particularidades e efeitos colaterais.

Por isso, é fundamental debater com o seu médico quais exercícios são permitidos e quais devem ser evitados. Contar com o auxílio de um profissional de educação física também pode ser essencial para sua saúde. Em geral, vale a pena não forçar muito o corpo, priorizando atividades físicas mais leves, como yoga, caminhadas, pilates, hidroginástica e natação.

7. Melhore a sua alimentação

Por fim, não dá para falar de câncer e suas melhores condutas sem citar a alimentação, não é mesmo? Afinal, os nutrientes que ingerimos são imprescindíveis não apenas para prevenir o surgimento da doença, mas também para que o paciente oncológico tenha melhores condições de enfrentar o tratamento proposto e, com isso, aumentar suas chances de resolutividade.

Além disso, temos que ressaltar que, durante a quimioterapia, é provável experimentar alterações no paladar e no olfato, o que pode fazer com que mudanças no plano dietético sejam necessárias, mas sempre evitando industrializados. Como sempre, vale a pena conversar com o médico e contar com o auxílio da equipe multiprofissional, sobretudo do nutricionista.

Se você chegou até aqui, você já está muito mais preparado para enfrentar uma doença tão estigmatizada como é o câncer. Além das dicas que separamos, não se esqueça de contar com a ajuda de amigos e familiares, formando uma rede de apoio que tornará os momentos complexos um pouco mais simples.

A pergunta “Tenho câncer. E agora?” ficou um pouco menos complicada? Gostou do conteúdo e obteve todas as informações que você precisava saber? O que acha de dividir os conhecimentos com outras pessoas que possam estar passando pelo mesmo problema? Então, compartilhe este texto em suas redes sociais!

Você também pode gostar

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Marque sua consulta pelo WhatsApp!